sábado, 2 de dezembro de 2017

NOVAS VIOLÊNCIAS PERPETRADAS CONTRA LUDMILLA ROSA: da tentativa de feminicídio literal para a tentativa de instigação ao suicídio



A violência intrafamiliar contra a mulher é cruel e repetitiva, mesmo após medidas protetivas serem deferidas ou após ações penais serem ajuizadas, comumente configurando os crimes de violência psicológica e moral contra vítimas, além de poderem configurar o ilícito de instigação ao suicídio, o que demanda ações URGENTES do Sistema de Justiça para coibir fortemente qualquer tentativa de coagir a vítima a desistir de perseguir JUSTIÇA, conforme se passa a explicar no caso de Ludmilla Rosa.
A primeira agressão física grave sofrida por Ludmilla culminou com a denúncia  oferecida pelo Ministério Público no primeiro trimestre de 2016, tendo sido recebida apenas em junho de 2017, o que na prática fortaleceu o agressor em relação à sua impunidade, a ponto de empoderá-lo para insistir veementemente em um retorno com ela durante meses a fio e de agora, após a tentativa de feminicídio, encontrar-se acobertado por familiares e amigos, estando há semanas foragido, apostando na impunidade e no esquecimento.   
Durante um processo de violência doméstica, a própria defesa de um agressor e seu comportamento em audiências repete, para quem quiser ver, o padrão agressão-arrependimento-nova agressão ao qual ele submeteu por anos a vítima. Durante um processo um agressor age coma Justiça da mesma forma que ele age com sua vítima.
 No dia 30/11 a Senhora Cristine Ferreira, que se autoidentifica como a esposa do agressor desde 2014, francamente inserida em um relacionamento tão abusivo quanto o que gerou as agressões contra a vítima, veio a público, fazendo uso do espaço virtual, para materializar os crimes de violência psicológica e de violência moral contra Ludimilla. Esta tentativa torpe de transformar a vítima em ré, de tirar o foco da violência covarde para qualquer fato que difame a mulher agredida, demonstra claramente a importância de se perceber que estamos diante de novos crimes contra a honra e contra a vida da vítima, intentando desestruturá-la para que ela desista dos processos ou tenha sua saúde abalada, instigando-a ao suicídio, o que também constitui crimes puníveis pela Lei Maria da Penha.
Conforme declarado pela Sra. Cristine em sua nota divulgada na internet, esta mantém relacionamento afetivo e de convivência com Lúcio André, irmão do Prefeito Luciano Genésio, sendo funcionária da prefeitura a qual o cunhado é chefe do Executivo, recebendo mensalmente R$ 10.400,00 do erário público, em nítida conduta caracterizada como prática de nepotismo e passível de responsabilização penal, cível e administrativa de AMBOS os envolvidos.
Os conceitos patriarcais que ensejaram os episódios de violência física  contra Ludmilla também encontram-se  totalmente presentes nas postagens  da Sra. Cristine e possuem exatamente o mesmo fim que as surras dadas à vitima: punir, coagir, sujeitar e  culpabilizar a vítima, em exercício de violência  baseada em seu gênero. Nesse sentido, Cristine Ferreira, praticando a pornografia da vingança com ataques à honra e moral de Ludmilla,  também foi cegada pela vingança contra quem ela considera rival, perseguindo um único objetivo:  macular a honra e a saúde emocional da vítima a qualquer custo e ao alcance de alguns cliques de compartilhamento, difamando-a, em segundos, para milhares de centenas de pessoas, exercendo violência intrafamiliar contra  uma mulher, em retaliação ao fato da mesma apenas PERSEGUIR JUSTIÇA.
Comete também violência intrafamiliar de gênero contra Ludmilla, pois os ataques à honra, moral, intimidade e mesmo a divulgação de informações falsas e difamatórias sobre a sexualidade da vítima intentam deslegitimar sua busca por justiça, de modo a fazer crer à sociedade que determinadas condutas femininas merecem, em última análise, uma resposta violenta – tanto de homens quanto o seu reforço por outras mulheres, tal qual o caso analisado, o que precisa ser combatido fortemente!

Essa postura requer pronta tomada de providência das autoridades para punir exemplarmente este comportamento, sob pena de que todos os agressores sigam cometendo novas violências contra as vítimas e também fazendo novas vítimas!
É NECESSÁRIO FAZER JUSTIÇA: PRISÃO A LÚCIO ANDRÉ, INVESTIGAÇÃO DE NEPOTISMO NA GESTÃO LUCIANO GENÉSIO E INVESTIGAÇÃO E   DEVIDA PUNIÇÃO AOS CRIMES PRATICADOS POR QUIAS QUER TERCEIROS, INCLUINDO ADVOGADOS, CONTRA LUDMILLA ROSA .